As vezes é preciso Retroceder para Avançar

– Tudo a ver com o salutar hábito de rever conceitos.

Explico: de repente comecei a sentir que alguma coisa estava meio fora de ‘ordem’. Por evolução natural, novos conceitos sobre gênero e sexualidade vieram a luz. Os estudos de gênero (gender studies) somados a “tal” visão/filosofia/conceito “queer”, a partir de pensadores como Foucault e outros, foram fundamentais nesse processo.

Junto com a desconstrução do conceito de patologia, imputado durante séculos, a homossexualidade mais a visibilidade, decorrente da força dos Movimentos GLBTTs e Feministas, e a liberdade criada-e criativa-a partir do surgimento de infindáveis expressões de gênero e suas novas culturas e/ou “sub-culturas”, acabaram por detonar uma verdadeira revolução. Fato é, que tanta “novidade” e liberdade está transformando em uma grande “sopa de letrinhas” o que antes era simplificado por um único conceito padrão: o da heteronormatividade.

Resumindo: de repente comecei a me auto-questionar… meus conceitos, originalmente tão libertos de padrões e engessamentos, diante de tanta pluralidade, começou a me exigir limites/enquadramentos e, por pouco, não vou fundo nessa armadilha. Como é bom rever conceitos!

Na busca de elementos para minha própria (re)organização acabei revisitando o passado, a origem do Uva e sua filosofia, razão do seu ’sucesso’ até hoje. Apesar de sempre termos nos apresentado como um blog erótico lésbico, na verdade sempre fomos “queer”. Esse era e sempre foi o nosso diferencial.

Embora nunca tenha abandonado de fato as origens, confesso que também não avancei. Mea culpa, mea culpa, admito. Coisas da vida, razões mil, não importa… O que importa realmente é que, se não fosse por essa ‘babel’ louca provocada por tão rápida evolução/revolução dos conceitos de gênero, eu não teria a oportunidade de retroceder para avançar novamente.

Acredito piamente que a filosofia/conceito/visão queer sobre sexualidade, seja realmente a melhor opção para as construções de novos-e mais assertivos-valores sobre a sexualidade humana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *